Poções: Situação da barragem de Morrinhos é preocupante

Foto: Portal Poções
Foto: Portal Poções

A barragem de Morrinhos está secando e abandonada. De quem é a culpa? Fomos em busca de resposta, mas infelizmente não obtivemos. Apesar de sabermos que a culpa é do ser humano, fomos falar com o gerente regional da Embasa, que informou que para dar entrevista tem que ter autorização do jornalista responsável da empresa. Perguntamos qual era a responsabilidade da Embasa com relação à barragem de Morrinhos, e ele nos respondeu que a barragem era de responsabilidade da prefeitura. A lei federal número 9433/1997 diz no seu artigo 22 que; Os valores arrecadados com a cobrança pelo uso de recursos hídricos serão aplicados prioritariamente na bacia hidrográfica em que foram gerados e serão utilizados: no inciso 1 que, no financiamento de estudos, programas, projetos e obras incluídos nos Planos de Recursos Hídricos. Entrevistamos o secretário de agricultura Celso Schettini. Segundo Celso a barragem é do DNOCS, mas a prefeitura de Poções tem feito o que pode, porém dentro de suas limitações. (mais…)

Brasil: Câmara dos Deputados aprova abertura de impeachment e processo agora vai para o Senado

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O prosseguimento do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi aprovado na noite deste domingo (17), pelo plenário da Câmara dos Deputados. Para dar continuidade ao processo, a oposição precisava de pelo menos 342 votos. Coube ao deputado dar o voto que garantiu o encaminhamento da matéria ao Senado. Com a abertura do processo de impeachment, pela Câmara dos Deputados, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deve criar uma comissão de senadores que tem dez dias para emitir um parecer sobre a decisão dos deputados. Feito isso, o parecer será votado pelo plenário do Senado que decidirá se arquiva o processo ou se ele segue adiante. Se o processo for instaurado, com a aprovação mínima de 41 senadores, a presidenta Dilma terá que se afastar do cargo por 180 dias, tempo em que assume o vice Michel Temer. A sessão de votação da permanência ou afastamento definitivo da presidenta será conduzida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. Para aprovar o impeachment da presidenta são necessários 54 votos dos 81 senadores. Em caso de absolvição, Dilma reassume de imediato o cargo. No caso de condenação, o afastamento também é imediato e a presidenta fica oito anos sem poder exercer qualquer cargo público.